Os olhos comem. Os ouvidos não, mas deviam!

Tu! Sim, tu mesmo que estás a ler este blogue! Diz-me se estiver enganado: é provável que tenhas pelo menos um smartphone e que o uses para mais do que fazer e receber chamadas. Se calhar o teu smartphone é também o teu principal leitor de música, ou pelo menos o dispositivo que, porque não tens outra escolha, mais usas para ouvires os teus álbuns, rádios online e podcasts. Se ainda não errei, continua a ler e diz-me o que achas.

Vou resistir à tentação de dissertar sobre como os novos hábitos de consumo de música me incomodam. Aquilo de que me queixo sobre este assunto tem sobretudo a ver com a contínua e sistemática abolição dos suportes físicos, à redução das capas dos discos a thumbnails e dos booklets a websites de letras e à Wikipedia. As próximas gerações de ouvintes, salvo raras excepções, não terão o meu problema.

O que eu quero discutir muito rapidamente são… auscultadores.

Os smartphones propagam-se a uma velocidade incrível. Mesmo em situação de crise económica, os telemóveis lideram as intenções de compra dos portugueses para este Natal[1]. A proliferação dos smartphones nota-se bem quando andamos na rua ou viajamos em transportes públicos. Quando vamos a um concerto ou ao cinema. Não é incomum ver iPhones e outros smartphones topo de gama nas mãos das pessoas. Mas onde parece haver poder de compra para adquirir estes belos (e caros!) dispositivos, não há nem um tostão para comprar auscultadores. Eu pergunto-me porquê.

Não sei bem o que está a falhar. Se são as marcas, que não sabem vender as virtudes de possuir auscultadores de qualidade (são muitas, já agora), se são as pessoas, que estão felizes e contentes a ouvir música e outros conteúdos multimédia através dos seus miseráveis auscultadores brancos (os auscultadores da Apple são dos piores que já usei na minha vida). Talvez um pouco dos dois.

Será que é também a síndrome do good enough[2]? Neste caso não. A diferença entre uns auscultadores incluídos na caixa de um smartphone e, por exemplo, uns Pioneer de 15 euros é já substancial. Substancial não. A diferença é, tipo, do dia para a noite. Até parece que ouves mais instrumentos.

Não é preciso ir a correr comprar uns Beats by Dr. Dre ou uns Bowers & Wilkins. Existem opções com preços mais convidativos e que ainda assim aniquilam quaisquer auscultadores de smartphone (eu uso uns Sennheiser CX-200 na rua e também tenho uns Sennheiser HD215 para utilização doméstica). O What Hi-Fi ajuda-te.

Resumidamente, aproveita que estamos perto do Natal e oferece uns auscultadores a ti próprio ou a quem mais precisa. Os ouvidos agradecem a gentileza.

[1] http://tek.sapo.pt/noticias/negocios/telemoveis_lideram_intencoes_de_compra_para_o_1198561.html

[2] http://techhoje.blogspot.com/2008/08/o-sndrome-do-good-enough.html

Deixe um comentário

Filed under Tecnologia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s